Efeitos do extrato das sementes de romã sobre células cancerosas

 

Efeitos do extrato das sementes de romã sobre células cancerosas.

Há uma década muitos artigos foram publicados a respeito do possível efeito anticâncer da romã. Uma empresa de sucos financiou alguns estudos, mas não tinha capital para financiar estudos amplos Fase III.

Para atualizar o nosso conhecimento, selecionei os últimos artigos em PubMed para informação de pacientes. Dependendo do tempo, publicarei resumos de cada um ou mais de um.

Como podem ter percebido, há questões sobre que tipos de enfermidades a romã tem efeito e também há questões a respeito de que parte, ou partes, do vegetal são úteis.

Seidi e associados pesquisaram o efeito do extrato das sementes de romã.

É um estudo de laboratório, usando linhas de células de diversos canceres. Concluíram que o extrato da semente dessa fruta que provem de arvore de pequeno porte que pode atingir entre 5 e 8 metros de altura.

Os pesquisadores prepararam um estrato metanólico e mediram seu conteúdo fenólico total (PSE). Não se assustem com os nomes científicos: queriam saber qual ou quais dos muitos ingredientes da fruta teria (ou não) impacto sobre que tipos de câncer. Como também queriam saber a respeito da dose necessária para provocar o efeito desejado usaram sete doses, que variavam de zero a 1000 μg/ml.

Aplicaram essas linhas de células de diferentes canceres: pulmão, mama, ovário e próstata. Como há vários tipos de cada um desses canceres, é importante, para fins práticos, saber qual o tipo de que câncer.

Obtiveram resultados estatisticamente significativos ou muito significativos (P<0,01 ou P<0,0001) em vários tipos de células cancerosas, usando doses baixas do ingrediente (PSE). Porém, as diferenças entre os efeitos antiproliferativos foram pequenas, 87% vs. 83%, 81% e 80%.[i]

 

GLÁUCIO SOARES      IESP/UERJ


[i] Saiba mais: Seidi K., Jahanban-Esfahlan R., Abasi M., Abbasi M.M., Anti Tumoral Properties of Punica granatum (Pomegranate) Seed Extract in Different Human Cancer Cells, em Asian Pac J Cancer Prev. 2016;17(3):1119-22.

Anúncios

A DIETA ERRADA É DAS MAIORES CAUSAS DO CÂNCER DA PRÓSTATA

Há fatores óbvios, como o fumo, momentos da vida com baixa do sistema imune etc., mas dados epidemiológicos confirmam a importância extraordinária da dieta na incidência e na prevalência do câncer da próstata. Os fatores genéticos pesam muito – depois do diagnostico, os negros têm probabilidade mais alta de morrer do que as dos brancos, mas não é fácil separar os fatores socioeconômicos dos raciais. A genética também conta: um câncer na família dobra a chance dos demais homens na família de ter este câncer. E, claro, a idade pesa muito: o câncer da próstata afeta, sobretudo, idosos.

Do lado positivo, sabemos que exercitar afasta muitos cânceres e que contribui para combater os que aparecem.

Mas o crescimento do conhecimento nos revelou que a dieta é crucial. O excesso de peso por si só aumenta o risco de ter o câncer e de morrer dele. Mas a epidemiologia aponta diferenças gigantescas: há, na China, 1,1 casos por cem mil homens, uma taxa ínfima se comparada com os avassaladores 92,4 casos nos Estados Unidos. Sabemos que as estatísticas americanas – nessa área – são melhores, mas a diferença é gigantesca!

Por que há diferenças tão grandes entre os países?


A dieta é responsável por boa parte delas. Quem quiser reduzir o risco de que alguém na família tenha câncer da próstata, deve fundamentar a dieta nos vegetais e frutas. São fontes importantes de antioxidantes e ajudam a impedir danos às células que podem provocar o câncer. Há muitos condimentos que também ajudam nessa tarefa, como uma dose moderadissima de pimenta vermelha e de pimenta preta. Vegetais com cores vermelha e preta usualmente são boa fontes de licopeno e de alfa e beta carotenos e de antrocrianinas. Berries (morango, amora etc.), mangas, batatas doce, romã, os vegetais cruciformes (brócoli, couve flor, repolho) pak choi, cebolas, alho, cogumelos brancos ou shitake, soja, chá verde e muitos são parte do arsenal preventivo que determinará se sua chance de ter câncer da próstata ficará perto da chinesa ou da americana.

GLÁUCIO SOARES

(inspirado por artigo em Diet.co.uk e baseado em centenas de pesquisas.


VEGETAIS AJUDAM A CONTROLAR O CÂNCER

Nova pesquisa demonstra que o consumo de vegetais é benéfico e ajuda no combate ao câncer da próstata.

Ajuda como?

Reduz a velocidade do avanço do câncer e ajuda a impedir a metástase.

Desta vez, a pesquisa foi feita na Universidade da Califórnia em San Diego. Os resultados da pesquisa indicam que os pacientes que comem mais vegetais diariamente são os que têm a taxa de crescimento do câncer mais baixa. A correlação é alta. Uma dieta com muitos e variados vegetais e frutas, sobretudo aqueles que tiveram seu efeito comprovado através de pesquisas, como o brócolis e a romã entre muitos, pode impedir o avanço do câncer e a metástase por muito tempo.

Esses são resultados preliminares, pois a pesquisa ainda está em andamento, mas há um grande número de pesquisas anteriores de diversos tipos cujos resultados são semelhantes.

GLÁUCIO SOARES