Testes melhores para o câncer da próstata

Os testes atuais para detectar o câncer da próstata são bons, mas podem ser muito melhores. O melhor que se usa é o PSA. Porém, o PSA produz aproximadamente quinze por cento de falsos negativos. O que é isso? O teste é interpretado como negativo, ou seja, o paciente não tem câncer, mas de fato tem. Os erros são maiores do lado positivo: há falsos positivos cerca de 50% até 75% dos casos, dependendo da definição. Falso positivo? O teste indica câncer, o paciente é diagnosticado como tal, mas não tem câncer.

Não é “só” um erro. O diagnóstico de câncer é uma porrada. Muitos pacientes perdem o controle emocional, ficam traumatizados. Esses pacientes pagam um alto preço pela imperfeição do teste.

Está sendo testado um teste que usa a urina em dois hospitais de Cleveland e um de Boston. É chamado de PSA/SIA. O atual teste de PSA nos diz quanto PSA circula no sangue do paciente. O PSA/SAI informa a respeito de muitas mudanças na proteína que chamamos de PSA. Ele consegue diferenciar a estrutura molecular de um PSA canceroso daquela de um PSA normal, saudável. Além de informar se o paciente está no nível em que o câncer é provável, informa também se ele é agressivo. São informações importantes para recomendar um tratamento ou outro. Nos diz qual o nível do câncer. Se for um nível alto, a despeito de uma quantidade ainda moderada sendo produzida, pode ser aconselhável fazer logo uma cirurgia.

Um primeiro teste com 222 homens produziu uma sensitividade de cem por cento (não há falsos negativos – se o resultado for negativo, o paciente não tem câncer e pronto).

E a especificidade? Esse teste permite quantos falsos positivos? Comparativamente poucos: vinte por cento de falsos positivos, muito menos do que o teste de PSA.

Esse teste não deve eliminar o de PSA, nem o toque retal. O uso de vários testes reduz os erros.

Você pode obter muitas informações em vídeos da equipe dirigida pelo Dr. David Samadi:

New Study On Prostate Cancer Screening Effectiveness http://www.youtube.com/watch?v=KFH1XFgoziQ

Comparing Prostate Cancer Treatment Options – Robotic Surgery Vs. Watchful Waiting

http://www.youtube.com/watch?v=9dC4T9JAJss

Outro Link: Smart-Surgery.com

FONTE: RoboticOncology.com

GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ

Se quiser saber mais sobre o câncer da próstata, visite os seguintes blogs:

http://psacontrol.blogspot.com/

ou

http://vivaavida.wordpress.com/

Se puder ler em Inglês, veja

www.psa-rising.com/


Nova vacina, nova esperança

As pesquisas ainda estão engatinhando, mas os resultados permitem algum otimismo. Depois do oba-oba a respeito da abiraterona e choque da realidade, é preciso muito cuidado para não exagerar e manter a esperança sob controle. Há muitos anos, a contribuição de cada novo tratamento ou medicamento tem sido aumentar a mediana da sobrevivência em alguns meses. Ninguém fala mais em cura.

Os dados foram baseados em pesquisas com camundongos. O que os pesquisadores afirmam é que essa vacina consegue enganar os múltiplos mecanismos de defesa do câncer. As vacinas anteriores se concentravam em uma ou poucas proteínas causadas pelo câncer, ou em um ou outro antígeno.

Essa vacina, como outras usa um vírus para convencer nosso sistema imune a identificar as células cancerosas como invasoras e atacá-las. Os pesquisadores examinaram a lista de DNA de células saudáveis da próstata e as injetaram num vírus. Depois injetaram o vírus nas cobaias, que as atacaram como atacariam bactérias invasoras. Não foram observados efeitos colaterais nem doenças auto-imunes que impediram o desenvolvimento de muitas vacinas.

Muitos medicamentos encontraram seus limites na capacidade dos tumores de desenvolver alternativas. Os tumores são inteligentes de maneira malévola, o que explica o porquê das terapias (anti) hormonais perderem seu efeito ao longo do tempo. O grande desafio é encontrar um medicamento que feche todas as possíveis rotas de fuga e nova ampliação do câncer.

É o que essa vacina tenta fazer. Dirigida por Richard Vile, da Mayo Clinic em Rochester. Se o tumor se adapta ao primeiro antígeno, a vacina lancha uma nova onda de ataques em outras áreas. A estratégia é nova: clonam todos os antígenos e alvos, deixando que o sistema imune selecione entre eles. Essa estratégia causará problemas para a aceitação pelas agencias regulatórias que exigem saber quais as proteínas que estão sendo ativadas e alvejadas.

Não foi encontrado câncer nos camundongos vacinados, mas a distancia até humanos é grande. Vile espera começar os testes com humanos em três a cinco anos.

GLÁUCIO SOARES