Linhaça contra o câncer?

Uma pesquisa recente sugere que as sementes de linhaça retardam o avanço do câncer da próstata. Os resultados foram apresentados na Sociedade Americana de Oncologia Clínica. As pesquisas sobre o efeito de dieta e de consumo de alimentos raramente são feitas por pesquisadores dos principais centros americanos; essa foi dirigida pela doutora Wendy Demark-Wahnefried da Duke’s School of Nursing.

Os pacientes foram aleatoriamente divididos em quatro grupos e acompanhados durante trinta dias. Um grupo consumiu trinta gramas de linhaça diariamente; outro também consumiu linhaça e obedeceu a uma dieta com pouca gordura e poucas calorias; o terceiro grupo só seguiu a mesma dieta, mas não consumiu linhaça e o quarto grupo nem consumiu linhaça nem seguiu a dieta. Aliás, a dieta foi definida em que menos de vinte por cento das calorias ingeridas fossem de gordura.

Houve diferenças entre esses grupos?

Houve. O câncer progrediu menos entre os pacientes dos dois grupos que consumiram linhaça do que nos dois grupos que não a consumiram.

Para saber mais sobre essas pesquisas consulte os sites; ao contrário, pule as URLs e continue lendo.

http://www.goldjournal.net/article/S0090-4295(01)01014-7/abstract?cc=y=

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2703189/

Esses resultados confirmam outros. Entendamos que não é cura, nem nada parecido. Simplesmente, o consumo das sementes de linhaça parece reduzir a velocidade do avanço do câncer em um número de pacientes.

Há problemas? Fui buscar em algumas fontes populares e outras mais acadêmicas: na WebMD, a informação é muito positiva (a linhaça traria outros benefícios).

Se quiser ler nas fontes, cliquem no http:// abaixo, ao contrário pule e continue lendo.

http://www.webmd.com/vitamins-supplements/ingredientmono-991-flaxseed.aspx?activeingredientid=991&activeingredientname=flaxseed

Já a Livestrong, baseada em informação oriunda da Universidade de Cleveland cauciona sobre os exageros que podem causar problemas e comunica a alguns tipos de pessoas que devem usar cuidadosamente a linhaça. Entre os possíveis problemas: ela tem efeito laxativo, pessoas com propensão a obstrução no aparelho digestivo não devem consumir a linhaça, existe a possibilidade de reações alérgicas, há overdose (por isso, ninguém deve se encher de linhaça, deve, pelo menos inicialmente, pesar o que vai consumir, e a linhaça tem efeitos hormonais.

http://www.livestrong.com/article/141046-flax-seed-bad-side-effects/

Não obstante, a Livestrong enumera alguns dos benefícios da linhaça: redução da pressão, dos triglicerídeos, o risco de formação de “clots” no sangue que podem causar derrames e a redução de inflamações.

Informe pessoas que podem se beneficiar, não deixando de sublinhar a necessidade de consultar seu médico antes de tomar qualquer medida.

GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ

Nozes contra o câncer da próstata

O consumo de vários tipos de nozes está negativamente associado ao risco de morrer de câncer. Mais nozes, menos mortes. O consumo desses vários tipos de nozes não reduz o risco de desenvolver um câncer da próstata, mas, entre os que enfrentam esse câncer, reduz o risco de morrer dele.

A pesquisa foi feita por Ying Bao, do Department of Medicine, Brigham and Women’s Hospital e Harvard Medical School, e publicada no British Journal of Cancer.

A pesquisa foi feita com 47.299 homens participantes do Health Professionals Follow-up Study. Foram acompanhados durante 26 anos. Desses, 6.810 desenvolveram câncer da próstata, dos quais 4.346 não tiveram metástase. Perto de 10% dos que tiveram a doença morreram dela, bem menos do que de doenças cardiovasculares (um terço). Não obstante, a mortalidade em geral, por todas as causas, era 34% mais baixa entre os que consumiam os vários tipos de nozes pelo menos cinco vezes por semana depois do diagnóstico.

Quais são essas nozes? Usei o Google Tradutor porque eu não conhecia várias (pelo visto, o Google Tradutor também não)…

Amêndoa, porca Beech, castanha do Brasil (castanha do Pará), Butternut, Caju, Chestnut (chinês, americano, europeu, Seguin), Chinquapin, Côco, avelã, porca de Ginko, porca Hickory, porca Lichee, Macadâmia / porca de Bush, noz-pecã, pinhão, porca Pili, Pistache, sheanut, walnut (Inglês, Persa, preto, japonês, Califórnia), Heartnut, Butternut.

Comprar essas nozes em quantidades pequenas é caro. Se alguém souber onde é possível comprá-las nesta ou naquela cidade brasileira, favor enviar um comentário com a informação.

Um aviso se faz necessário: algumas pessoas sofrem de alergias alimentares que podem incluir uma ou mais das nozes acima. É bom confirmar com seu médico/alergista antes.

Um abraço

Gláucio Soares

Nozes contra o câncer da próstata

O consumo de vários tipos de nozes está negativamente associado ao risco de morrer de câncer. Mais nozes, menos mortes. O consumo desses vários tipos de nozes não reduz o risco de desenvolver um câncer da próstata, mas, entre os que enfrentam esse câncer, reduz o risco de morrer dele.

A pesquisa foi feita por Ying Bao, do Department of Medicine, Brigham and Women’s Hospital e Harvard Medical School, e publicada no British Journal of Cancer.

A pesquisa foi feita com 47.299 homens participantes do Health Professionals Follow-up Study. Foram acompanhados durante 26 anos. Desses, 6.810 desenvolveram câncer da próstata, dos quais 4.346 não tiveram metástase. Perto de 10% dos que tiveram a doença morreram dela, bem menos do que de doenças cardiovasculares (um terço). Não obstante, a mortalidade em geral, por todas as causas, era 34% mais baixa entre os que consumiam os vários tipos de nozes pelo menos cinco vezes por semana depois do diagnóstico.

Quais são essas nozes? Usei o Google Tradutor porque eu não conhecia várias (pelo visto, o Google Tradutor também não)…

Amêndoa, porca Beech, castanha do Brasil (castanha do Pará), Butternut, Caju, Chestnut (chinês, americano, europeu, Seguin), Chinquapin, Côco, avelã, porca de Ginko, porca Hickory, porca Lichee, Macadâmia / porca de Bush, noz-pecã, pinhão, porca Pili, Pistache, sheanut, walnut (Inglês, Persa, preto, japonês, Califórnia), Heartnut, Butternut.

Comprar essas nozes em quantidades pequenas é caro. Se alguém souber onde é possível comprá-las nesta ou naquela cidade brasileira, favor enviar um comentário com a informação.

Um aviso se faz necessário: algumas pessoas sofrem de alergias alimentares que podem incluir uma ou mais das nozes acima. É bom confirmar com seu médico/alergista antes.

Um abraço

Gláucio Soares

Genética e câncer da próstata

 

Uma das revistas eletrônicas que subscrevo, a Johns Hopkins Health Alert, levanta a questão: até que ponto o câncer da próstata é transmitido geneticamente?

O problema não pode ser entendido de maneira simples: é/não é geneticamente determinado. Há muitas causas possíveis que interagem durante muito tempo para provocar um câncer da próstata.

Não obstante, há dados que mostram que o risco de desenvolver esse câncer dobra se o pai ou irmão tiver (ou tiver tido e curado) esse câncer. Se o parente canceroso for mais distante, tio ou avô, há um aumento menor no risco. Muito do que se sabe nessa área deriva da comparação entre irmãos univitelinos e bivitelinos. A herança genética conta, mas não é decisiva por si só. A chance de que univitelinos tenham o câncer é mais alta, mas coincidem em apenas 27% das observações.

Observamos um claro avanço do conhecimento sobre a genética humana a partir do mega-estudo chamado de human genome. Há muita contribuição de fatores genéticos, mas o estilo de vida também pesa e pesa muito.

Ter um parente próximo com essa doença faz com que os órgãos da saúde recomendem exames periódicos do PSA: uns recomendam anuais depois dos 40; outros de dois em dois anos depois dos 50. Não há uniformidade. Acompanhar o PSA, para ver suas alterações, é uma das recomendações para quem tem parentes próximos com câncer da próstata.

 

GLÁUCIO SOARES       IESP/UERJ

 

 

Câncer na próstata: papel da idade, do fumo, da dieta e do exercício

WebMD é uma excelente fonte de informações a respeito de doenças, medicamentos e pesquisas médicas para pessoas com pouco conhecimento na área. NÃO é um site para especialistas. É um site informativo, pedagógico e responsável.   Em um artigo recente, o articulista nos lembra da relação essencial entre idade e câncer da próstata: 80% dos diagnósticos são em pessoas com mais de 65 anos e menos de um por cento em homens com menos de 50 anos. Os cânceres em homens jovens, adolescentes e crianças são raríssimos, mas existem.

O site lembra que há fatores comportamentais que aumentam o risco deste câncer, como a dieta. Quem consome muita gordura de carne vermelha aumenta o risco. Outro fator consensual é a obesidade, que aumenta o risco. Finalmente, um terceiro fator comportamental reduz o risco: os exercícios sistemáticos.

Isso, claro, sem falar no fumo que contribui muito para aumentar o risco de muitos tipos de cânceres.

GLÁUCIO SOARES     IESP/UERJ