Células T atacando célula cancerosa e imunoterapia

Uma empresa farmacêutica, Inovio, anunciou excelentes resultados com etapa preliminar da vacina que estão desenvolvendo. Trabalham com camundongos aos que foi dado o medicamento INO-5150. Os animais desenvolveram uma intensa reação imune, com uma resposta das células T que foi muito forte.


Os camundongos receberam o medicamento através de uma técnica da empresa chamada eletroporação. O anúncio afirma que se trata de um ganho substancial na imunoterapia. A empresa pretende iniciar testes Fase I em meados de 2012. Pretende iniciar com 148 pacientes nos Estados Unidos, Coréia, África do Sul, Austrália e Canadá. A empresa tem tradição no desenvolvimento de vacinas imunoterápicas, estando trabalhando em três pesquisas Fase II para tratar a displasia cervical, a hepatite C e a leucemia. Há outros desenvolvimentos na área do HIV.

GLÁUCIO SOARES, com base em visita ao site da Inovio. Foto de Google Images.


Cuidado com os hospitais

Passei muitos anos ensinando e pesquisando na Universidade da Flórida e lidava com os meus problemas de saúde no Shands Hospital, da própria universidade. Em todos os departamentos (cardiologia, urologia, oncologia etc.), havia uma informação visível e bem-feita

  • A Cardiologia do Shands está em nº lugar no país…
  • A Oncologia do Shands está em nº lugar no país…

HealthGrades é uma empresa independente que avalia os hospitais e dá uma nota, serviço por serviço. A mesma coisa vale para outros hospitais.  Por que serviço por serviço? Porque todos os hospitais são melhores em algumas áreas do que em outras. HealthGrades coleta dados de vários tipos, inclusive sobre mortalidade. A principal fonte é Medicare, que é uma espécie de INSS dos Estados Unidos – um serviço de seguro médico público, federal. HealthGrades examina mais de cinco mil hospitais e dá uma nota de acordo com os resultados obtidos.
A “nota” inclui o risco de morrer nos hospitais. O relatório de 2008 se refere ao período de 2004 a 2006 e mostra que a qualidade do hospital faz muita diferença no risco de morrer: nos melhores hospitais os pacientes tem uma chance 71% menor de morrer do que nos piores hospitais. O que isso quer dizer?
Numa entrevista para o serviço chamado Ivanhoe Insider, que eu subscrevo, a doutora Marigene Hartker, que trabalha para a HealthGrades, sumarizou: se todos os hospitais funcionassem tão bem quanto um que recebe uma cotação de cinco estrelas, 266 mil vidas de assegurados pela Medicare poderiam ser salvas.
Há mais: os melhores e os piores hospitais estão em regiões diferentes do país. Os melhores estão em Illinois, Indiana, Michigan, Ohio e Wisconsin, e os piores no Alabama, Kentucky, Mississippi e Tennessee. Tem mais: a informação é transparente. Quem quizer ver os resultados das pesquisas é só entrar no site: http://www.healthgrades.com

Os pacientes devem escolher bem os hospitais. Muitos pacientes fazem um cálculo financeiro burro e, para não pagar uma viagem e alguns dias de estadia, vão aos hospitais mais próximos. Se, nos Estados Unidos, com a implementação de padrões mínimos e um judiciário que funciona (e produz resultados rápidos de processos, inclusive contra hospitais e médicos, ou contra quem quer que seja) a distância é gigantesca, imaginem no Brasil. Se o leitor tem internet e cultura suficientes para acompanhar meu blog, é provável que tenha recursos suficientes para ir a um bom hospital dentro do Brasil para se tratar. Se você tem uma doença séria, como um câncer, um derrame, ou uma depressão séria, busque um hospital bom. Os leitores também podem subscrever os serviços grátis de Ivanhoe (informações em Inglês):

http://www.ivanhoe.com/newsalert/.