MEDICAMENTO CONTRA A METÁSTASE ÓSSEA

A empresa norueguesa chamada Algeta abriu uma filial na cidade de Cambridge, one estão importantes universidades, como Harvard e MIT. Essa medida nos diz que a empresa quer entrar pesado no mercado norte-americano com a droga que está sendo testada, radium-223 dichloride. Nos diz, também, que esse produto está prestes a ser submetido aos testes oficiais americanos determinados pela U.S. Food and Drug Administration. Os testes começaram há mais de dez anos: o medicamento é injetado na veia do paciente cada seis meses. Os primeiros testes mostram um aumento de 44% na sobrevivência (total, não específica) em relação ao grupo controle. O grupo controle, por sua vez, recebia o tratamento padrão dado aos pacientes com metástase óssea. A metástase óssea é uma das principais vias pelas quais o câncer da próstata mata os seus pacientes, além de causar muita dor. Os analistas acreditam que o remédio esteja nas farmácias no fim de 2013.

 

Boa notícia para nós, pacientes.

GLÁUCIO SOARES                IESP/UERJ      

 

     

Anúncios

VITAMINA D CONTRA TIPOS LETAIS DO CÂNCER DA PRÓSTATA

Resumimos alguns trabalhos sobre a relação entre a vitamina D e o câncer da próstata. Há uma associação negativa (mais vitamina, até certo ponto, menos câncer), mas os resultados de diferentes pesquisas não totalmente consistentes. Até agora a conclusão – temporáriaé que ter os níveis adequados de vitamina D não reduz a incidência do câncer, mas reduz a incidência das suas formas mais agressivas. 
Essa pesquisa levou o conhecimento um pouco mais adiante: verificou qual o nível de 25-hydroxyvitamin D [25(OH)D] no plasma sanguíneo, as variações nos genes associados com essa vitamina, e o risco de morte por esse câncer.   
Acompanharam 1.260 homens que foram diagnosticados com câncer da próstata depois de terem tido o sangue examinado e mais 1.331 homens que serviram como grupo controle. 
Isso foi feito entre 1993 e 1995. Os homens diagnosticados com câncer da próstata foram acompanhados até o início de 2011, entre 16 e 18 anos depois. Desses, 114 faleceram – nove por cento.
Analisaram sete genes associados com a vitamina D. Os resultados: os pacientes com os níveis mais altos de 25(OH)D (a quarta parte mais alta, ou seja, o quartil mais alto) apresentava uma redução de 57% na mortalidade em relação ao quartil mais baixo. A razão de risco era de 0,43. Porém, não havia uma incidência maior de todas as formas de câncer da próstata. A conclusão é que a vitamina D é relevante para as formas letais de câncer da próstata.  
Nunca é demais lembrar que a melhor maneira de garantir um suprimento adequado de vitamina D é uma exposição moderada ao sol (entre 20 e 60 minutos diários) em um horário relativamente seguro – antes das 10 e depois das 16hs.
Fontes:
Shui IM, Mucci LA, Kraft P, Tamimi RM, Lindstrom S, Penney KL, Nimptsch K, Hollis BW, Dupre N, Platz EA, Stampfer MJ, Giovannucci E.” Vitamin D-Related Genetic Variation, Plasma Vitamin D, and Risk of Lethal Prostate Cancer: A Prospective Nested Case-Control Study.” em J Natl Cancer Inst. 2012 Apr 12.
GLÁUCIO SOARES IESP-UERJ

PSA: TESTAR OU NÃO TESTAR?

Há um debate antigo relacionado ao câncer da próstata: fazer triagem com o teste de PSA ou não. O PSA é um teste imperfeito, com falsos positivos e falsos negativos.

Falso positivo: um PSA alto sugere câncer, mas não há câncer;

Falso negativo: um PSA baixo sugere que não há câncer, mas há.

Combinado com o toque retal, os erros diminuem. Quando a suspeita é grande, o médico (usualmente urólogo) recomenda ou não uma biópsia. Porém, a biópsia é probabilística e também tem falsos negativos: não encontram nada, mas o câncer está num lugar onde não enfiaram as agulhas… Mais agulhas, melhor distribuídas e melhor dirigidas reduzem os erros.

Esses testes não acontecem num universo sem emoções: há tensões, estresse, medo, angústia e até infecções, sobretudo no caso das biópsias feitas em hospitais e consultórios de baixa qualidade.

Porém, saber se o paciente tem ou não o câncer é apenas um passo, uma das perguntas. Mesmo se tivessemos um teste sem falsos positivos e falsos negativos, ainda poderíamos questionar a sabedoria de fazer exames regulares de PSA. Não é só ter ou não ter que conta, resta saber se, mesmo que haja câncer, vale a pena saber que ele existe. A última vez que li uma contagem dos tipos de câncer da próstata havia vinte e cinco tipos diferentes, alguns praticamente inócuos e outros virulentíssimos. Como separar os tipos de acordo com a sua agressividade? A biópsia permite fazer – se uma agulha encontrar o câncer – isso e, ainda hoje, usamos o Escore de Gleason (quanto mais alto, pior) que é uma soma: o tipo de célula cancerosa mais comum na biópsia, vem primeiro, e o segundo mais comum vem depois. Alguns defendem que é útil conhecer o terceiro mais comum. As células mais agressivas são as menos diferenciadas, que só fazem se reproduzir, multiplicar e multiplicar.

Um dos resultados de biópsia mais comuns, que divide as opiniões é o 3+3. Acima disso, com total 7, 8, 9 ou 10, quase todos tratam o paciente e o fazem agressivamente: jogam todas as cartas. Jogam para valer e tentar curar.

O PSA oferece mais do que isso: a velocidade com que ele cresce, chamada de PSA velocity importa: estatisticamente, ela se relaciona com o risco de que, depois do tratamento primário (o primeiro que fizermos com a intenção de curar, como cirurgia, radioterapia etc.) o câncer volte; também se relaciona com o risco de morrer deste câncer e, finalmente, com o tempo de sobrevivência. Afinal, uma coisa é morrer dois anos depois do diagnóstico e outra é morrer vinte anos depois.

Outra medida é comumente aplicada aos mesmos dados, o PSADT. Difere do anterior porque é um cálculo do tempo em que o PSA leva para dobrar. Também se relaciona com tudo com que o PSA velocity se relaciona, um pouco melhor, dizem seus defensores, porque o crescimento do PSA frequentemente não é linear e sim exponencial.

Um grupo americano de especialistas concluiu que não vale a pena testar toda a população masculina de x anos e mais, cada y anos. Gera angústia, estresse, medo, gastos desnecessários e mais. Outros contra-argumentam: na população americana um em cada seis homens tem ou terá câncer da próstata. Ou seja, de acordo com o National Cancer Institute, 242 mil serão diagnosticados naquele país em 2012. Aproximadamente, um em cada 34 homens morre devido ao câncer da próstata. Fazendo os cálculos, são mais de 28 mil mortes por ano, somente nos Estados Unidos.

A incidência e a prevalência deste câncer (em taxas) são muito mais baixas nos países asiáticos e, diagnosticado o câncer, a sobrevivência é menor em quase todos os países do que nos Estados Unidos. Os americanos comem mal, vivem mal, e têm mais câncer da próstata, mas tratam melhor e mais eficientemente.

Há portanto, a primeira decisão: testar ou não testar, e a pergunta associada, se não testarmos todos, quem testar?

Uma pesquisa feita na Europa, que acaba de ser publicada, produziu novas informações e levantou novas dúvidas: homens que eram testados de quatro em quatro anos, como parte de uma rotina preventiva, tinham um risco 30% mais baixo de morrer desse câncer. Feitos todos os cálculos, veio um resultado perturbador: os testes regulares não aumentavam a esperança de vida em geral. Os testados morriam um pouco mais de outras causas do que os não testados, o que compensava o ganho nas mortes com o câncer da próstata.

A pesquisa foi grande, mais de 182 mil homens em oito países europeus, todos entre 50 e 74 anos, que foram acompanhados durante 11 anos.

Onze anos? Parece muito? Alguns argumentam que não é porque a taxa específica devida ao câncer da próstata não se reduziria quinze ou vinte anos depois do tratamento.

O Dr. Fritz Schroder, professor de urologia na Erasmus University, concluiu que não há dúvida de que o risco de morrer  do câncer da próstata é trinta por cento menor entre os testados, mas trinta por cento desses cânceres descobertos são insignificantes, lentos, e os pacientes morrerão de outras causas muito antes do que morreriam devido ao câncer da próstata.

Onde ficamos? Posso dizer o que talvez seja um novo consenso: os que têm fatores de risco ou sintomas devem ser testados regularmente (os com câncer da próstata na família, os negros, os fumantes, os obesos etc). Não obstante, testar ou não testar é e deve continuar sendo uma decisão do paciente, ainda que muito bem informada pelo médico.

É importante continuar pesquisando novos testes não invasivos que, isolados ou em combinação com os existentes, reduzam tanto os falsos positivos quanto os falsos negativos e indiquem a agressividade do câncer. Talvez sejam novos e  melhores exames de sangue, talvez sejam de urina, possibilidade levantada por um experimento esdrúxulo com cães farejadores que parecem poder separar os cânceres agressivos dos  não agressivos. Se essa possibilidade se confirmar, talvez seja possível desenvolver testes feitos com a urina que poderiam classificar os pacientes de acordo com a agressividade do câncer.

Estranho exemplo da afirmação de que “sai na urina”…

 

Gláucio Soares                  IESP/UERJ

Um tratamento para cânceres intermediários

O que é um câncer da próstata com risco intermediário? Como tratar esses cânceres? Pesquisadores do Department of Radiation Oncology, McGill University Health Centre, em Montreal, no Canadá, definiram câncer intermediário: antes do tratamento, um PSA de 10 a 20 ng/mL ou um Gleason escore 7 (seja 3+4 ou 4+3). Tecnicamente, estão nos estágios T2b ou T2c.

Não há consenso sobre como tratar esses cânceres. Como se trata de um departamento de radiologia oncológica, seria difícil que fossem tratados de outra forma que não a radiação… Usaram uma técnica com nome complicado: hypofractionated external beam radiotherapy (HyRT).

E os resultados? Trataram 82 pacientes com uma dose de 66Gy/22 frações. 51 meses depois, os dados permitiam estimar qual a percentagem sem fracasso bioquímico passados cinco anos. Os números são muito bons: 95% não tiveram esse fracasso definido como o nadir (valor mais baixo de todas as medidas do PSA do mesmo indivíduo depois do tratamento) do PSA +2ng/mL.

 Os efeitos colaterais foram modestos. Por essas razoes, os médicos-pesquisadores concluíram que o tratamento é adequado para os cânceres intermediários – não para os mais agressivos, nem para os mais lentos.

GLÁUCIO SOARES

IESP-UERJ


Baseado no trabalho de Faria S, Pra AD, Cury F, David M, Duclos M, Freeman CR, Souhami L.