Que países pesquisam mais e melhor os derrames e AVCs?

Quem produz os melhores trabalhos sobre os derrames e outros problemas cardio-vasculares? É o que pretendiam descobrir três pesquisadores suécos, Asplund, Eriksson e Persson. Estudaram todos os artigos epidemiológicos e clínicos identificados no Science Citation Index Expanded durante dez anos, de 2001 a 2011. Incluíram tudo. Os Estados Unidos tinham 29% do total, e seus artigos são mais influentes porque são responsáveis por 36% das citações. Um grupo de quatro países (Estados Unidos, Japão, o Reino Unido e a Alemanha) dominam a área, sendo responsáveis por 52% dos artigos e 61% das citações. Claro, em boa parte esses dados refletem o tamanho e o nível desenvolvimento econômico. Quando a produção científica sobre esse tema é analisada descontando o tamanho da população e o produto interno bruto (o PIB), alguns países europeus menores, Israel e Taiwan são os que mais se destacam.

Poderíamos pensar que a incidência e a prevalência de derrames e outros AVCs estariam diretamente relacionadas com a produção sobre essas doenças. Em verdade, a relação é negativa (r=0,60) com um indicador do número de anos perdidos por morte ou incapacidade!

Essa relação está mudando! O crescimento da produção científica nesse campo na China, na Coréia do Sul e em Cingapura é o dobro da mundial, com um óbice: esses países não colaboram nas pesquisas e na produção científica, o contrário do que se observa entre países europeus e entre eles e os Estados Unidos.

E o Brasil? A produção brasileira está crescendo, mas o país sofre as consequências de ter universidades arcaicas, dominadas pelo corporativismo.

Fonte: “Country Comparisons of Human Stroke Research Since 2001: A Bibliometric Study” em Stroke.

 

GLÁUCIO SOARES              IESP/UERJ

A PRÉ-DOENÇA QUE MAIS MATA

Uma de cada duas pessoas lendo este post sofre de uma doença mortal e a quase totalidade não sabe disso! Essa doença tem um nome que poucos conhecem: diabesidade. O que é a diabesidade? É a principal causa de obesidade, problemas cardíacos câncer, demência e diabete, tipo 2.

Deriva da combinação entre uma desordem biológica e o estilo de vida. Passa pela resistência à insulina, pré-diabete, síndrome metabólica, obesidade e diabete que só vem a ocorrer quando o paciente já é adulto.

Alguns médicos simplificam o cenário e afirmam que essas não são doenças diferentes, mas facetas de uma só doença. Porem, diabesidade não é algo que se tem ou que não se tem: é algo contínuo, que varia de nada, passando por pouco e bastante, a muito. É a causa dessas doenças crônicas.

Há algumas décadas, nos Estados Unidos, não havia um só estado com uma taxa de obesidade superior a 20% da população; hoje, não há um só estado com uma taxa inferior a 20%!

Uma estimativa nos diz que essa epidemia causada por nós mesmos custará três trilhões e meio de dólares no curso dos próximos dez anos.

E o Brasil? O Brasil é uma ave rara: por um lado, ainda há dezenas de milhões abaixo da linha de pobreza e com insuficiência alimentar; do outro, há um número crescente de pessoas que sofrem de diabesidade. Os obesos e os diabéticos estão crescendo em número.

Se formos inteligentes, paralelamente a programas como o Fome Zero, deveríamos desenvolver programas como o Diabesidade Zero, Obesidade Zero e Diabete tipo 2 zero. Programas preventivos custam muito menos e salvam mais vidas.

 

Gláucio Soares   IESP/UERJ

Os remédios para a pressão alta

Um demônio ronda as casas das pessoas com pressão alta: as próprias pessoas que sofrem dessa doença. Elas acham  que quando os sintomas desaparecem, podem parar de tomar os remédios. Algumas (poucas), mais informadas, tiram a pressão regularmente e, quando a pressão baixa ao normal, param de tomar o remédio. São candidatas ao derrame e à morrer de enfermidade circulatória.

A pressão ala tem muito a ver com o estilo de vida da pessoa, o que come (de errado) e o que faz (ou não faz, ficando sentada vendo televisão). É uma doença crônica. Os remédios podem controlar a pressão alta, mas não podem curá-la.

Muita gente com pressão alta não sente nada (por isso alguns a chamam de doença oculta). E acaba parando de tomar os medicamentos.

Acontece alguma coisa quando o doente para de tomar o medicamento?

Acontece! Aumenta o risco de infartar, de outros ataques cardiovasculares. de derrame, de dano e parálise dos rins e muitas doenças mais.

E se a gente esquece? Eu uso uma caixinha dividida em sete dias da semana e coloco todas as pílulas que tenho que tomar cada dia. Outros deixam avisos dentro da própria casa ou pedem a outras pessoas que moram na casa para avisar e até algumas que não moram. Ajuda, e muito.

Às vezes, quando você realmente muda seu estilo de vida, muda a dieta, corta o sal a quase zero, passa a andar ou a fazer outros exercícios com frequência, o médico pode reduzir a dose, mas quase nunca aconselhar a parar de tomar o remédio.

Cuidado com esse demônio. Êle está dentro de você tentando você a parar o tratamento…

Os posts mais lidos até agosto de 2008

Aprenda técnicas de relaxamento 709 Mais estatisticas
Sinais de AVC – os TIAs 317 Mais estatisticas
Sinais de AVC – os TIAs 309 Mais estatisticas
O que são as ondas cerebrais? 274 Mais estatisticas
Um remédio antigo ganha novos adeptos 215 Mais estatisticas
Excesso de homocisteina, doenças cardí 153 Mais estatisticas
Dieta e doenças do coração 84 Mais estatisticas
O que tem a escova de dentes a ver com a 81 Mais estatisticas
Derrame e fibrilação 80 Mais estatisticas
Estratégias para melhorar a memória 78 Mais estatisticas
RISCO PARA A SAÚDE, INCLUSIVE DE MORTE 77 Mais estatisticas
Ondas cerebrais e o sono 74 Mais estatisticas
Necrópsia Psicológica 69 Mais estatisticas
O que é um ataque isquêmico? 54 Mais estatisticas

HIPERTENSÃO E DERRAME

Muito cuidado com a hipertensão arterial. Ela reduz a esperança de vida. Entre as pessoas de idade média, as que têm hipertensão vão viver cinco anos menos do que as com pressão normal. Uma pesquisa feita por holandeses e publicada em Hypertension (Volume 46, página 260). As pessoas que mantem uma pressão normal vivem mais. Além disso, vivem mais tempo sem problemas cardio-vasculares. Os pesquisadores examinaram 3.100 homens e mulheres, participantes do conhecidíssimo Framingham Heart Study. A pressão foi tomada aos 50 anos e regularmente durante os 28 anos seguintes. Pessoas com pressão viveram, na média, cinco anos a mais do que as que tinham pressão alta. Além disso, tiveram vida mais tranqüila, pois estiveram livres de problemas cardio-vasculares, na média, durante sete anos a mais do que quem tinha pressão alta.

A pressão alta não é, apenas, uma chateação. É doença séria.

Abacate: notícias novas sobre uma fruta antiga

Poucos sabem, mas o nosso abacate ajuda a regular o colesterol e a pressão. Mas, cuidado! Não saias por aí devorando abacate à direita e à esquerda porque os abacates tem muita gordura. Um abacate representa, no mínimo, 15% da gordura que você deve ingerir diariamente. Há outros benefícios do abacate: vitaminas B, E e K: o folato e outros nutrientes reduzem o risco de doenças cardíacas.
Culturalmente, os abacates variam muito. Os mexicanos o comem amassado, misturado com cebola e tomate na comida – é o guacamole. No Brasil, é fruta. Dá uma “vitamina” gostosa com soja… se você tiver um paladar parecido com o meu.
Não encontrei especialistas em abacatologia, mas calculo, pelo que li, que entre meio e um abacate por dia fazem muito mais bem do que mal.

Powered by ScribeFire.

Abacate: notícias novas sobre uma fruta antiga

Poucos sabem, mas o nosso abacate ajuda a regular o colesterol e a pressão. Mas, cuidado! Não saias por aí devorando abacate à direita e à esquerda porque os abacates tem muita gordura. Há outros benefícios do abacate: o folato o risco de doenças cardiovasculares.
Culturalmente, os abacates variam muito. Os mexicanos o comem amassado, misturado com cebola e tomate na comida – é o guacamole. No Brasil, é fruta. Dá uma “vitamina” gostosa com soja… se você tiver um paladar parecido com o meu.
Não encontrei especialistas em abacatologia, mas calculo, pelo que li, que entre meio e um abacate por dia fazem muito mais bem do que mal.

Powered by ScribeFire.